Pesquisar Apaes

Você deseja ir para qual instituição Apae? Clique nas setas para visualizar as opções.

Estado

Unidade

CRPD pede mobilização de movimentos sociais contra mudanças na reforma da Previdência que afetem as pessoas com deficiência

O parecer aprovado pela comissão, se aprovado pelo Congresso Nacional, modifica o artigo 203 da Constituição Federal, que estabelece a transferência de um salário mínimo mensal para pessoas com deficiência e idosos “que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei”.

O Comitê Brasileiro das Organizações Representativas das Pessoas com Deficiência (CRPD) se posicionou de forma contrária às alterações dos artigos 20 e 21 da Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), aprovadas pela Comissão Especial instalada para tratar da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 287/16 – da reforma da Previdência. A proposta agora segue para o plenário da Câmara dos Deputados.

O parecer aprovado pela comissão, se aprovado pelo Congresso Nacional, modifica o artigo 203 da Constituição Federal, que estabelece a transferência de um salário mínimo mensal para pessoas com deficiência e idosos “que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei”.

Ao que se refere à pessoa com deficiência, o texto do relatório aprovado então propõe uma nova redação:

V - a transferência de renda mensal, no valor de um salário mínimo, à pessoa com deficiência, quando a renda mensal familiar integral per capita for inferior ao limite estabelecido em lei;

Esse dispositivo assegura a manutenção do benefício por meio da transferência de renda, fixado em um salário mínimo mensal, vinculado às atualizações de valores do mínimo, anualmente ajustado.

§ 4º Em qualquer hipótese, a efetivação das transferências de renda de que tratam os incisos V e VI do caput considerará a impossibilidade de aplicação do disposto no art. 229.

O parágrafo 4º estabelece um novo critério de acesso ao benefício, vinculando sua concessão à impossibilidade de aplicação do artigo 229 da Constituição Federal, que assim determina:

Art. 229. Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, e os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice, carência ou enfermidade.

Ou seja, aquelas famílias que comprovem condição de miserabilidade e vulnerabilidade, segundo o critério da renda per capita ou cujos pais não existam para assistir, criar e educar os filhos, terão acesso ao benefício.

Porém, no artigo 17 º parecer trata da transição para novos critérios de concessão do benefício que serão apresentados em lei própria e determina a revogação dos artigos 20 e 21 da LOAS, que estabelece os critérios de miserabilidade e vulnerabilidade:

Art. 17. Observado o disposto nos parágrafos 1º e 2º, até que sejam regulamentadas as transferências de renda previstas nos incisos V e VI do art. 203 da Constituição, na redação atribuída por esta Emenda, e durante o prazo improrrogável de dois anos, a contar da data de publicação desta Emenda, permanecerão em vigor os artigos 20 a 21-A da Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993.

Diante disso, o CRPD pede a mobilização dos movimentos sociais no sentido de aprofundar o debate sobre os conceitos de miserabilidade e vulnerabilidade que balizam os atuais critérios de acesso ao benefício. Haja vista que o disposto nos artigos 20 e 21 da LOAS, como a comprovação de renda per capita mensal inferior a ¼ de salário mínimo, já restringe os beneficiários que estão em situação de miséria, impossibilitados de prover para si e para seus familiares, condições mínimas para subsistência digna.

É importante lembrar ainda que o atual benefício destinado às pessoas com deficiência já não é suficiente para a manutenção de apoios especializados necessários ao seu desenvolvimento saudável, uma vez que para além da condição de fragilidade econômica e social, a própria deficiência é em si um fator de vulnerabilidade que por conta das diversas barreiras encontradas e da necessidade de diversos tipos de apoios especializados, considerando a promoção da autonomia e a participação da pessoa com deficiência nos diversos níveis da sua vida.

”Preocupa-nos ainda que o artigo 229 da Constituição Federal seja usado como critério, de forma a responsabilizar os pais pela condição de vulnerabilidade e miserabilidade dos filhos com deficiência, uma vez que entendemos ser de toda a sociedade e do poder público em última instância a responsabilidade de prover meios para que todos os cidadãos brasileiros tenham condições de desenvolver-se e constituir família de forma digna. Se a sociedade brasileira e governo ainda falham nessa missão, a responsabilidade não pode ser colocada no indivíduo que já sofre com a condição adversa da miséria e da falta de meios de subsistir por si mesmo e ainda tem que conviver com o julgamento da sociedade e do poder público, sob o risco de colocá-lo em uma situação tal que sem os apoios sociais estará fadado a não conseguir sair da condição de miséria. Não é possível querer relegar aos pobres a sua própria pobreza, isso seria se não, condená-lo”, disse em nota o CRPD que se diz contrário a qualquer mudança no critério de concessão do benefício de um salário mínimo para pessoa com deficiência que prejudiquem os atuais beneficiários e que crie barreiras para o acesso de novos beneficiários que comprovem estar em condição de vulnerabilidade e miserabilidade, segundo os critérios hoje vigentes.

“[...] este é o mínimo que o Estado deve prover para a garantia da dignidade e autonomia da pessoa com deficiência. Estabelecer critérios ainda mais austeros que os já existentes em relação à concessão desse benefício compromete significativamente o cumprimento dos princípios que o Brasil assumiu como Emenda Constitucional ao ratificar a Convenção Sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”, finaliza o documento do CRPD composto pelo (a):

  1.  Associação Brasileira de Autismo (Abra)
  2. Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)
  3. Federação Nacional das Apaes (Fenapaes)
  4. Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis)
  5. Federação Nacional das Associações Pestalozzi (Fenapestalozzi)
  6. Organização Nacional de Cegos do Brasil (ONCB)
  7. Organização Nacional de Entidades de Deficientes Físicos (Onedef).
Tags:
Nenhum registro encontrado.

Endereço:
SDS Venâncio IV Cobertura CEP: 70393900 - Brasília/DF
E-mail:
[email protected]
Telefone:
(61) 32249922