Pesquisar Apaes

Você deseja ir para qual instituição Apae? Clique nas setas para visualizar as opções.

Estado

Unidade

Projeto cria contribuição sobre aplicações financeiras para financiar seguridade social

Entre outros pontos, o texto sujeita à incidência da contribuição os rendimentos auferidos por pessoa física ou empresa em qualquer aplicação ou operação financeira de renda fixa.

O deputado André Figueiredo (PDT-CE) apresentou à Câmara dos Deputados proposta que institui uma contribuição social sobre aplicações financeiras com o objetivo de garantir reservas para ações da seguridade social. As regras estão detalhadas no Projeto de Lei Complementar 408/17.

Entre outros pontos, o texto sujeita à incidência da contribuição os rendimentos auferidos por pessoa física ou empresa em qualquer aplicação ou operação financeira de renda fixa, conforme as seguintes alíquotas:

7% em aplicações com prazo de até 180 dias;
6% em aplicações com prazo de 181 a 720 dias;
5% em aplicações com prazo acima de 720 dias.
Ficam isentas da contribuição as aplicações cujo valor global dos últimos dois anos anteriores ao resgate seja igual ou inferior a:

R$ 50 mil em aplicações com prazo de até 180 dias;
R$ 75 mil em aplicações com prazo de 181 a 720 dias;
R$ 100 mil em aplicações com prazo acima de 720 dias.

Arrecadação
Com a medida, André Figueiredo acredita ser possível arrecadar R$ 13 bilhões por ano. “Em fevereiro de 2017, havia um estoque de R$ 5,55 trilhões investidos em renda fixa. O imposto de renda retido na fonte sobre operações de renda fixa arrecadou em 2016 aproximadamente R$ 40 bilhões. Considerando as alíquotas propostas, espera-se arrecadar R$ 13 bilhões por ano”, explica.

O parlamentar propõe a contribuição como alternativa à reforma da Previdência proposta pelo governo federal, a qual considera “perversa e injusta” por dificultar o atingimento dos requisitos necessários para a aposentadoria. Ele lembra que a Constituição, em seu artigo 195, já prevê a manutenção da seguridade social a partir da criação de uma nova contribuição social.

Retenção e recolhimento
Ainda segundo o projeto, ficam responsáveis pela retenção e recolhimento da contribuição o administrador do fundo e a fonte pagadora no caso das operações de financiamento realizadas em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas. A retenção e o recolhimento ocorrerão semestralmente ou no resgate da aplicação, a depender do caso.

Fica dispensada a retenção da contribuição social sobre as aplicações financeiras cujo valor seja igual ou inferior a R$ 10.

São isentos ainda os rendimentos de poupança de pessoa física; os auferidos na alienação, liquidação, resgate, cessão ou repactuação dos títulos, aplicações financeiras e valores mobiliários integrantes das carteiras dos fundos de investimento; os creditados a beneficiário residente no exterior; e os do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e do Fundo de Investimento em Cotas (FIC).

Caberá à Receita Federal administrar e fiscalizar a contribuição proposta.

Tramitação
O projeto será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Posteriormente, será votado pelo Plenário.

Nenhum registro encontrado.

Endereço:
SDS Venâncio IV Cobertura CEP: 70393903 - Brasília/DF
E-mail:
[email protected]
Telefone:
(61) 32249922